sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Game Boy Review #3: Ultima Runes of Virtue

A série Ultima contém cerca de 93278362 jogos. Tá, não são tantos jogos assim, mas ainda assim tem bastante jogo da franquia. Ok, o que quero dizer é que Ultima está aí há vários anos com jogos e mais jogos, desde da época do Commodore 64 até as versões de MMORPG. Porém a versão do Game Boy foi a primeira que joguei, então não sei se os outros jogos seguem as características encontradas na versão de Game Boy. Eu poderia resumir o jogo em puzzle, mais puzzle, com uma pitada de puzzle, mas vou tentar escrever um pouco mais que isso.


No jogo nós podemos escolher entre 4 classes de personagens:

Shamino, o Ranger
Dupre, o Swordsman
Iolo, o Bard
Mariah, a Mage.

E escolhi o Ranger, pois segundo o próprio jogo, ele é o personagem mais balanceado.
A história do jogo é bem simples, o Black Knight roubou as runas do rei. Se essas runas tem poderes, vão destruir o mundo ou chamar o Shen-Long não é dito no jogo. Brincadeiras a parte, a cada runa aumenta um pouco dos seus status, seria a forma de ganhar level no jogo.
O jogo realmente se resume a fazer puzzles. Cada runa está em uma dungeon e o jogo dá a entender que você pode faze-las em qualquer ordem, o que lembra o primeiro Zelda, porém, essa é só uma impressão mesmo, pois as dungeons tem níveis de dificuldades e algumas escondem itens utéis para as próximas dungeons, então há duas formas de fazer isso de forma correta, aprendizado por morte ( e você vai levar 1000000 horas pra terminar o jogo) ou pegar um faq e ver a ordem das dungeons.
Falando em aprendizagem por morte, isso é uma constante no jogo, mesma indo na dungeon certa, se você fizer algo errado nela, como empurrar uma pedra pro lugar errado, ativar uma alavanca errada, já era, vai ter que morrer e começar TUDO DE NOVO, o que pode ser bem, BEM cansativo, então sua atenção tem que estar redobrada, não só com os inimigos, mas na forma correta de avançar pelas dungeons, que vão ficando cada vez mais gigantescas e complexas ao decorrer do jogo.
E depois de passar por todos os desafios,  derrotar o Black Knight, pegar as 8 runas de volta... bom... o final pode ser bem frustrante...

Ainda assim é um jogo bom, desafiados, um pouco cansativo talvez, mas ainda assim uma boa forma de passar o tempo, e se você gosta de puzzles como os do Zelda, vale a pena conferir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contador